Semana BJ: o que estamos jogando (24/09/2012)


Img_normal
Segunda-feira pós-Tokyo Game Show 2012, e chegou a vez de apresentarmos o quadro "O que estamos jogando". Talvez você pense que seja impossível que os títulos prestigiados por nós mudem a cada semana, mas acredite: a equipe BJ é muito grande, e nós simplesmente adoramos jogos eletrônicos.
Sem mais delongas, confira o que estamos jogando. Lembrando que aqui constam apenas os games que MAIS estamos jogando, embora possamos estar experimentando outros títulos simultaneamente. Além disso, aqui constam somente alguns dos integrantes da equipe BJ:
Clicar, matar um inimigo, clicar, pegar um novo item — repetir o mesmo processo centenas de vezes. Nunca uma tarefa aparentemente tão repetitiva foi tão divertida quanto em Torchlight 2. O game pega todas as qualidades do primeiro lançamento da série e as melhora em todos os quesitos.
Apresentando um sistema de jogabilidade rápido e preciso, o game é daqueles em que a ação não para em nenhum instante. A Runic Studios conseguiu criar um jogo que, se não perfeito, faz todo o possível para manter você se divertindo em todos os momentos. Com quase 10 horas de jogatina, já posso falar que esse vai ser um dos games que eu mais vou "rejogar" pelos próximos anos.
  • Ricardo Antunes Fadel - DotA (clássico)
O tradicional mod de Warcraft 3 não deixa de me contagiar. Sempre que preciso buscar uma boa distração, Defense of the Ancients é uma alternativa segura e empolgante. Não é à toa que começaram a surgir vários grandes projetos embasados em DotA, tamanha é a diversão proporcionada pelo simples mod do game da Blizzard.
Nunca gostei da parte “Real-Time” nos jogos do gênero RTS. Por isso, meu primeiro contato com Civilization V não poderia estar se mostrando melhor, já que toda a experiência pode ser aproveitada calmamente. Agora é só uma questão de aprender as mecânicas principais do game – porque, para ser sincero, há tempos que eu não via um jogo tão complexo.
Img_normal
Até o momento, a experiência neste game tem sido muito positiva, com combates dinâmicos, movimentação fluida e histórias bem narradas e entrelaçadas, feitas, até certo ponto, sob medida para o seu personagem. A atenção dos desenvolvedores aos detalhes é surpreendente e estou muito satisfeito com essa aquisição. 
O jogo que não sai do meu celular é o Pinball Arcade, da FarSight Studios. A razão é muito simples: além de ser o melhor jogo de pinball para Android, com física e gráficos respeitáveis, as mesas disponíveis são réplicas de modelos existentes e trazem, inclusive, um pequeno resumo da criação e design do fliperama. O aplicativo é gratuito, mas as mesas são pagas. De qualquer forma, você pode baixar versões gratuitas delas para testar antes de gastar dinheiro. Vale a pena conferir!

0 comentários:

Postar um comentário